Como ler:

Abertura


Cronologia da Crise:

anterior | próxima

77
29/07/2005

Depoimento à Polícia Federal. É de João Cláudio Genu, assessor do deputado José Janene (PP-PR). Ele admite que fez vários saques em dinheiro vivo na agência do Banco Rural no Brasília Shopping. De setembro de 2003 e janeiro de 2004, foram R$ 850 mil em retiradas. Genu agiu por determinação de Janene e dos deputados Pedro Corrêa (PP-PE) e Pedro Henry (MT).

Genu nega que distribua dinheiro do mensalão a deputados do PP. Apenas transportou somas, como uma espécie de “mula”. Segundo Genu, ele pegava o dinheiro dentro da agência, em envelopes entregues por Simone Vasconcelos, a alta funcionária de Marcos Valério. Tudo ia para dentro de uma pasta tipo 007, sem conferir. Da agência bancária, Genu ia para o anexo do Senado, onde estão a presidência e a sede do PP. Lá funcionava uma tesouraria do partido.

A Polícia Federal monta esquema para proteger a vida de Soraya Garcia. Ela cuidou das finanças da campanha de Nedson Micheletti (PT) à Prefeitura de Londrina (PR), em 2004. Militante do PT, acabou denunciando a sonegação de R$ 6,5 milhões nos gastos da campanha apresentados pelo PT à Justiça Eleitoral. Ela acusa o envolvimento do então deputado Paulo Bernardo (PT-PR), ministro do Planejamento de Lula, e de outro deputado, André Vargas (PT-PR).

Declaração do promotor eleitoral Sérgio Correia de Siqueira sobre o caixa 2 que reelegeu Micheletti, com referência ao ministro Bernardo e ao deputado Vargas:

– O que ela fala é que eles chegavam de Brasília num dia e o dinheiro aparecia no outro.

Aparecia dentro de sacos plásticos de lixo e em sacolas de lojas. Oficialmente, a campanha custou R$ 1,3 milhão. De acordo com os números de Soraya, foram R$ 7,8 milhões. Ela relatou ao promotor que foi incumbida de fazer duas planilhas de despesas. Uma, em letras azuis, a oficial. A outra, em vermelho, mostrava o caixa 2. Depois que os documentos eram impressos, os arquivos eram apagados do computador.

Soraya põe no rolo o chefe de gabinete do presidente Lula, Gilberto Carvalho. Ele é natural de Londrina. Carvalho foi procurado várias vezes para dar socorro financeiro à campanha de Micheletti. Olha a coisa batendo na porta de Lula, novamente.

Em entrevista ao repórter Sérgio Gobetti, de O Estado de S. Paulo, o deputado João Magno (PT-MG), ex-prefeito de Ipatinga (MG), confessa que errou ao receber R$ 50 mil do valerioduto, em 2003. Diz que o dinheiro foi usado para pagar dívidas de campanha:

– Não declarei. Não digo que a gente não deva respeitar a lei, mas se não jogar as regras do jogo tem de deixar a política. Recebi consciente de que era desvio da lei, mas essa é a regra do jogo no Brasil.

Magno apresentou Marcos Valério, um velho conhecido, aos deputados João Paulo Cunha (PT-SP) e José Mentor (PT-SP). Valério também tem bom relacionamento com o deputado Virgílio Guimarães (PT-MG). Agora, essa: para obter dinheiro do caixa 2 do PT, o petista Magno procurou Valério, e não Delúbio. A confissão:

– Foi quando perguntei se era possível ele liberar algum dinheiro, para pagar dívidas da minha campanha. Ele disse que dependia de ter o consentimento do Delúbio. Ele não entregaria dinheiro sem autorização do PT.

Em 2002, antes de conversar com Valério, Magno já havia ido a Delúbio Soares procurar a “ajuda financeira”. É revelador:

– Ele disse que ia ver o que era possível fazer. Naquele momento achei uma providência bastante solidária dele. Esse assunto não era discutido no diretório estadual, mas cada deputado sabia que existia essa fonte de ajuda.

anterior | próxima | início