Como ler:

Abertura


Cronologia da Crise:

anterior | próxima

134
24/09/2005

A revista Isto É publica entrevista com Soraya Garcia, a assessora financeira do PT de Londrina (PR) durante as eleições municipais de 2004. Durante a campanha, ela trabalhou no comitê de reeleição do prefeito Nedson Micheletti (PT). A reportagem de Luiz Cláudio Cunha trata do esquema de aluguéis de automóveis para a campanha política. Soraya denuncia 17 notas em nome da Yaktur, uma empresa de turismo de São Paulo, e da Gtech, a multinacional norte-americana envolvida no escândalo da renovação de um contrato de R$ 650 milhões com a Caixa Econômica Federal. Existe suspeita de extorsão e cobrança de propina na assinatura do contrato com a Gtech, crimes dos quais teriam participado dois dos mais importantes personagens da crise política, Waldomiro Diniz e Rogério Buratti.

Os automóveis foram alugados para uso de assessores da campanha de Micheletti. A coisa enrolou quando um deles, Rafael Silva, ex-presidente da União Londrinense de Estudantes Secundaristas, bateu o carro. Isto É relata:

“Em 10 de novembro de 2004, a Avis ligou para Soraya, no PT, cobrando R$ 200,00 do seguro pela batida leve num pára-lamas do Celta dirigido por Rafael. ‘Eu não sabia dos carros, não eram pagos por mim’. Soraya, então, ligou para a Avis de Curitiba e, lá, informaram que o locador era a Yaktur. Na Yaktur, deram um número de telefone em Brasília para Soraya tratar do problema. Ela ligou e a voz do outro lado respondeu: ‘SMPB, bom dia!’. Exposto o caso, a moça explicou: ‘Meu chefe, o senhor Marcos, não está. Ele viaja muito’, esclareceu, sem citar o nome Marcos Valério. Mas pediu que Soraya ligasse para o gabinete do então deputado Paulo Bernardo na Câmara. ‘Foi com ele que fizemos o negócio. A gente ficou de pagar só o mês, sem cobrir batidas’.”

Em outro caso envolvendo a campanha em Londrina, a revista aborda o depoimento do motorista Rogério Bicheri à Polícia Federal. Ele trabalhava para o PT na época e disse ter recolhido dinheiro vivo no apartamento de Zeno Minuzo, um assessor do então deputado e hoje ministro do Planejamento de Lula, Paulo Bernardo (PT-PR). Palavras do motorista:

– Fui duas vezes lá, em setembro e em outubro de 2004, dirigindo o carro de Fábio Reali, assessor do prefeito. Estacionei e o Fábio voltou com 20 envelopes, todos com nomes de coordenadores e vereadores em campanha. Era coisa de uns R$ 50 mil. Ele botou dois envelopes no porta-luvas, e o resto debaixo do banco. Ele disse que dessa forma, se fôssemos roubados, levariam menos dinheiro.

anterior | próxima | início