Como ler:

Abertura


Cronologia da Crise:

anterior | próxima

200
29/11/2005

Em depoimento repleto de evasivas à CPI dos Bingos, Ademirson Ariosvaldo da Silva, secretário particular de Antonio Palocci (PT-SP), nega quaisquer irregularidades no relacionamento com integrantes da chamada “república de Ribeirão Preto”, todos igualmente ligados a Palocci. Ademirson convive com Palocci há 18 anos. Os nomes citados: Rogério Buratti, Vladimir Poleto, Juscelino Dourado e Ralf Barquete, morto em 2004. Reações de Ademirson a questionamentos feitos durante a sessão da CPI:

– Desconheço.

– Não tenho conhecimento sobre isso.

– Nunca tratei desse assunto.

Ele desconversa ao ser inquirido sobre as dezenas de conversas telefônicas mantidas com Buratti e Barquete, durante o período da renovação do contrato sob investigação entre a Caixa Econômica Federal e a multinacional Gtech. Indagado a respeito dos 1.411 telefonemas trocados com Poleto em pouco mais de dois anos, resume tudo a “assuntos de amigos”.

Ademirson admite ter ido nove vezes à “casa dos prazeres”, alugada por Poleto no Lago Sul, em Brasília. Mas nega que o endereço serviu para empresários fazerem lobby a fim de obter negócios com o governo Lula. Ademirson oculta os nomes dos freqüentadores do local. Tampouco diz o que fazia por lá.

anterior | próxima | início