Como ler:

Abertura


Cronologia da Crise:

anterior | próxima

248
16/01/2006

Técnicos da CPI dos Correios concluem serem R$ 23,9 bilhões os recursos suspeitos não identificados. A soma é o total da movimentação bancária atribuída a pessoas e empresas com suposto envolvimento no escândalo do mensalão. Integram o número bilionário os valores eventualmente desviados em irregularidades ocorridas em órgãos públicos da administração federal. Todos os R$ 23,9 bilhões dizem respeito a operações em bancos, das quais não constam as identificações dos nomes dos favorecidos nem tampouco dos responsáveis pelos depósitos.

Do que foi apurado, as seguintes instituições financeiras não prestaram as informações solicitadas pela CPI: Safra (operações referentes a R$ 10,7 bilhões), Real – ABN Amro (R$ 5,9 bilhões), Bradesco (R$ 3,7 bilhões), BankBoston (R$ 2,9 bilhões) e Citibank (R$ 516 milhões).

Outro médico legista confirma: Celso Daniel foi brutalmente torturado antes de ser assassinado. O perito Paulo Vasques acompanhou os trabalhos de exumação do corpo do prefeito de Santo André (SP). Ele trabalhou em parceria com o perito Carlos Delmonte Printes, morto em outubro.

Questionado pelo Ministério Público sobre os elementos que o levaram a concluir que Daniel foi submetido a tortura, Vasques citou os oito tiros que atingiram rosto, tórax, mãos e pernas. Referiu-se a marcas de coronhadas na cabeça e a queimaduras nas costas, a expressão de terror e o espasmo cadavérico generalizado, uma rigidez muscular decorrente de extrema tensão nervosa. Por fim, afirma que a calça que Daniel vestia, quando encontrado morto, foi posta depois do assassinato do prefeito, por não apresentar as marcas de tiro existentes no corpo dele.

anterior | próxima | início