Como ler:

Abertura


Cronologia da Crise:

anterior | próxima

280
17/02/2006

O jornal *Folha de S.Paulo tem novidade. A Telemar, uma das maiores operadoras de telefones fixos do país, decidiu injetar R$ 5 milhões por ano em patrocínios e produção nos programas de televisão da Gamecorp, a empresa de Fábio Luiz Lula da Silva, o Lulinha, filho do presidente. A mesma Telemar, que é concessionária de serviço público, já havia feito um aporte de capital de R$ 5 milhões na Gamecorp, em 2004. Na época, tornou-se sócia da empresa. Recorde-se que a Telemar é em parte uma empresa pública. Tem 55% das ações nas mãos do Banco do Brasil, BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e fundos de pensão. A revista Veja informa que o patrocínio de R$ 5 milhões de 2005, os R$ 5 milhões previstos para 2006 e a compra de ações, na casa dos R$ 5 milhões, somam R$ 15 milhões destinados pela Telemar à Gamecorp, em três anos.

A empresa de Lulinha, como já se mencionou, é especializada em videogames e faz programas sobre jogos eletrônicos para a televisão. Os horários na TV Bandeirantes e na Mix TV são comprados. Daí a importância dos patrocinadores. Além da Telemar, a Gradiente anunciou nos programas da empresa do filho do presidente. O dono da empresa, Eugênio Staub, foi dos primeiros homens de negócio a dar apoio a Lula na eleição de 2002. Outra patrocinadora dos programas da Gamecorp é a Sadia, empresa na qual outro empresário de sucesso ligado a Lula fez carreira. É Luiz Fernando Furlan, ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

anterior | próxima | início